Integração entre ônibus, metrô e trem terá reajuste neste sábado em SP

14/04/2017 -

Fonte.: Folha de S.Paulo


Imagem

Começam a valer neste sábado (15) as novas tarifas para quem utiliza conjuntamente metrô, trem e ônibus na capital paulista. O aumento do valor da integração foi anunciado pelo governo Geraldo Alckmin (PSDB) no início da semana, após liberação do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

O reajuste já tinha sido anunciado no início do ano, como uma saída para as equipes do governo do Estado e da Prefeitura de São Paulo cumprirem promessa de congelar a tarifa do sistema municipal, em R$ 3,80. A Justiça, porém, o suspendeu, apontando que pessoas que moram em locais mais distantes seriam mais prejudicadas.

Com a nova decisão do STJ, começa a valer o reajuste tanto na integração de ônibus com metrô ou trem (de R$ 5,92 para R$ 6,80) como nas modalidades diária (de R$ 16 para R$ 20) e mensal (de R$ 230 para R$ 300) –aumento acima da inflação. 

De acordo com a Secretaria Estadual de Transportes Metropolitanos, os passageiros afetados pelo reajuste representam um terço do total de usuários da rede de transporte sobre trilhos da região metropolitana de São Paulo.

Os bilhetes Madrugador (Metrô das 4h40 às 6h15 e CPTM das 4h40 às 5h35) e Da Hora (das 9h às 10h, nas linhas 8, 9 e 5), que custavam R$ 2,92, terão valor de R$ 3,40. Já o bilhete Fidelidade terá desconto de 10,5%, de acordo com o número de viagens.

Após o anúncio do governo do Estado, a gestão do prefeito João Doria (PSDB) afirmou que as modalidades temporais apenas de ônibus terão os mesmos valores dos trilhos. 

Entenda o vaivém das tarifas

3.out.2016 Um dia após ser eleito, João Doria (PSDB) diz que passagens de ônibus seriam congeladas em 2017

6.out.2016 Promessa causa constrangimento ao governador Geraldo Alckmin (PSDB), seu padrinho político; o costume é combinar reajustes das tarifas com a prefeitura18.nov.2016 Doria sinaliza que vai reavaliar gratuidade nos ônibus a idosos de 60 a 64 anos que ainda trabalhem para amenizar impacto do congelamento

25.out.2016 Alckmin encomenda estudo para rever gratuidades no Metrô e na CPTM, reavaliando, assim como Doria, o benefício a idosos

3.nov.2016 Em entrevista à Folha, o diretor financeiro do Metrô, José Carlos Nascimento, afirma que teme uma fuga de usuários em caso de congelamento nas tarifas de ônibus

30.dez.2016 Em conjunto, Alckmin e Doria anunciam congelamento das tarifas comuns em R$ 3,80 e reajuste acima da inflação nas integrações e nos bilhetes mensal e diário, a partir de 8.jan 

6.jan.2017 Justiça suspende liminarmente os reajustes após pedido da bancada do PT na Assembleia Legislativa; a decisão afirma que as pessoas que moram em locais mais distantes seriam mais prejudicadas. Oficial de justiça tenta entregar notificação a Alckmin às 17h20, mas não consegue, porque o governador não estava

8.jan.2017 Governo faz os reajustes previstos e, mesmo dizendo não ter sido notificado da liminar, entra com recurso no Tribunal de Justiça para derrubar a decisão

10.jan.2017 Quatro dias após a liminar da Justiça, governador é notificado. TJ nega recurso de Alckmin e mantém a decisão de primeira instância, afirmando que "a redução do desconto [...] não foi devidamente justificada". Estado e prefeitura declaram que tarifas voltariam aos valores de 2016 no dia seguinte

8.abr.2017 Superior Tribunal de Justiça decide a favor do governo de SP e libera os reajustes dos bilhetes. Alckmin, porém, ainda não havia decidido se colocaria medida em prática

10.abr.2017 Alckmin e Doria decidem reajustar tarifas a partir do dia 15 

O QUE SÃO SUBSÍDIOS

Passagens

Os passageiros pagam atualmente R$ 3,80 de tarifa por viagem para ajudar a cobrir os gastos do transporte municipal, tanto nos ônibus quanto no Metrô e na CPTM

Benefícios

São oferecidos benefícios a alguns grupos, como idosos de 60 anos ou mais, estudantes de baixa renda, pessoas com deficiência (passe livre) e estudantes (meia tarifa)

Repasses

Para compensar o valor das tarifas que não foram pagas e, no caso dos ônibus e da CPTM, cobrir outros gastos não previstos, o poder público precisa pagar um valor às empresas

Aumento

Quanto mais benefícios a prefeitura e o governo de SP oferecem aos passageiros, portanto, mais repasses têm que fazer, às vezes tirando dinheiro de outras áreas